Programas de estudo e intercâmbio no exterior

Passar uma temporada de estudos em um país estrangeiro tornou-se o sonho de grande parte dos brasileiros, principalmente aqueles com menos de 30 anos. Quaisquer que sejam as motivações, o fato é que, somente no ano passado, mais de 230 mil brasileiros conseguiram embarcar nesse sonho, que já deixou de ser um privilégio das classes mais abonadas e passou a ser uma real aspiração da classe média nacional.

100797-intercambio-na-faculdade-saiba-como-pode-funcionar-810x540

A tendência é que esse tipo de viagem torne-se cada vez mais um diferencial fundamental para se obter um bom emprego no mercado globalizado. Por isso, projeta-se que, em 20 anos, cerca de 500 mil brasileiros por ano estarão comprando um pacote de intercâmbio, de aperfeiçoamento pessoal ou profissional ou de aprendizagem de um idioma no exterior. É bom frisar que essa compra, pelos valores, riscos e questões técnicas envolvidas sempre vai requerer a atuação especializada de um agente de viagens o que significa um excelente horizonte para a atividade.

Nesse universo, existem inúmeras opções de pacotes de estudo e intercâmbio no exterior com consideráveis variações de formato, preço e duração. Independente das aspirações, gostos, direções e bolsos, esse público consumidor sabe que ter uma experiência estudantil ou profissional no exterior pode ser uma garantia de empregabilidade e das grandes vantagens pessoais que se adquire com esse tipo de vivência.

Principais vantagens: 

  • O profissional que realize qualquer tipo de intercâmbio, tem mais chances de se destacar no mercado de trabalho e seus salários são, em média, 20% maiores.
  • O participante ganha mais desenvoltura, segurança e fluência no idioma local.
  • O intercambista aprende a se adaptar a um novo ambiente, enfrentar desafios e crescer como pessoa e profissional.
  • Importante para aumentar a maturidade, independência, responsabilidade e adaptabilidade do participante.
  • A vivência em um país estrangeiros com hábitos culturais distintos, além do contato com intercambistas de várias nacionalidades, é uma aprendizagem em se lidar com as diferenças de forma mais respeitosa e democrática.

O Turismo de Estudos e Intercâmbio é um segmento abrangente, que engloba diversas atividades e tipos de viagem. Podemos classificá-lo em 3 grandes grupos que iremos analisar em seguida:

  • Cursos livres e especializações.
  • Intercâmbios estudantis (Ensino Médio, Graduação e Pós-Graduação).
  • Cursos técnicos e estágios profissionalizantes.

A principal feira de divulgação do segmento chama-se EDUEXPO – Estude no Exterior e ocorre duas vezes por ano (março e setembro), nas seguintes cidades brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Campinas, Brasília e Campinas. A entrada é gratuita para todos os estudantes, mas as inscrições devem ser feitas pelos sites: www.edufindme.com e www.eduexpos.com

Cursos livres e especializações

Esses tipos de curso consistem em viagens, em grande parte das vezes conjugadas com atividades de lazer, em que o turista busca uma maior participação na cultura do país estrangeiro e um aprendizado mais intensivo do idioma ou deste conjuntamente com uma atividade esportiva, cultural ou artística. Em geral, os pacotes são oferecidos em 2 modalidades:

Cursos de Idioma: 

Duração: De 2 semanas (curso intensivo) até 1 ano. Maior demanda    pelos cursos de 4 semanas.
Idade: Sem limite de idade. Existem programas de 2 semanas sendo oferecidos para crianças a partir dos 9 anos, acompanhadas de monitores, até cursos especiais para idosos.

Cursos específicos para crianças, adolescentes, jovens, adultos e 3ª idade. Turmas são fechadas por faixa etária.

Cursos intensivos voltados para executivos com ênfase no vocabulário e expressões do universo corporativo.
Início: Funcionam em ciclos começando nas mais variadas datas. Em qualquer semana do ano é possível começar o curso.

Hospedagem, em geral, em casas de família. Em hotéis custa bem mais caro.

Quanto custa: 4 semanas desde U$ 1.800,00 (incluindo estadia, meia pensão, transporte e material didático). Não inclui passagem aérea.

DICA: Apesar do inglês ser o idioma mais procurado para um curso no exterior, existem outras opções, como por exemplo: Espanhol, em Bariloche, Italiano em Roma ou Florença, Francês em Bordeaux, Alemão em Berlim, Árabe no Marrocos e Mandarim na China.

Cursos Combinados: 

Torna-se cada vez mais popular a possibilidade de se mesclar um curso de idioma com o aprendizado de danças, música, culinária, história, modalidades esportivas e outros tipos de atividade tidas como referência da cultura de um local específico.

Duração: De 2 semanas a 3 meses.

Idade: A partir dos 16 anos.
Essa modalidade é muito procurada por consumidores acima dos 25 anos.

Hospedagem, em geral, em casas de família. Em hotéis custa bem mais caro.

Quanto custa? 2 semanas, desde U$ 900,00 (Espanhol + Tango, em
Córdoba, na Argentina, incluindo estadia, café, transporte e material didático. Não inclui passagem aérea).

EXEMPLO:  Inglês + Cinema em Londres.
Inglês + Fotografia em Las Vegas.
Espanhol + Flamenco em Málaga.
Espanhol + Tango em Buenos Aires.
Inglês + Surf no Havaí.
Inglês + Esqui em Salt Lake City.
Italiano + História da Arte em Florença.
Francês + Gastronomia em Lyon.
Mandarim + Tai Chi Chuan em Pequim.

Intercâmbios estudantis

O intercâmbio estudantil é a modalidade designada para estudantes que pretendem cursar um semestre ou um ano em uma instituição de ensino no exterior. As disciplinas cursadas durante o período são reconhecidas pelo MEC (Ministério da Educação) e podem ganhar equivalência nas escolas e universidades em que os estudantes estão matriculados no Brasil. Pode ser feito em 3 momentos distintos da vida acadêmica do aluno: ensino médio, graduação e pós-graduação. No caso dos cursos de pós- graduação, o período no exterior pode estender-se por 2 anos.

Para mais informações sobre intercâmbios estudantis Clique Aqui

Cursos técnicos e estágios profissionalizantes

Os cursos técnicos em conjunto com estágios ou programas de treinamento são procurados por quem busca algum tipo de aperfeiçoamento profissional. São programas feitos, em geral, por meio de parceiras entre associações, universidades e empresas de grande e médio porte, sendo que o trabalho pode ser ou não remunerado e com duração máxima de 12 meses.
Produtos com duração menor e preços mais competitivos Continuar lendo “Programas de estudo e intercâmbio no exterior”

Anúncios

Ouro Preto(MG) foi o primeiro bem cultural brasileiro inscrito pela UNESCO.

 

 

SP_20180508_072541.jpg

Primeira escolha – Seguindo a ordem cronológica de aceite, destacamos o ano de 1980, em que a Cidade Histórica de Ouro Preto (MG) foi declarada pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.  A concessão do título foi em virtude de seu conjunto urbanístico e arquitetônico. Em termos de estilo, existe o predomínio renascentista e barroco.

Antigamente, Ouro Preto era a capital da Província de Minas Gerais. Destacava-se, desde então, por sua riqueza arquitetônica e pela arte sacra de Aleijadinho e Athayde.

Com isso, Ouro Preto mantém preservado um dos mais ricos conjuntos arquitetônicos do país, formado por casarões, igrejas e palácios erguidos durante o Ciclo do Ouro.

No ano de 1933, Ouro Preto foi reconhecida como Monumento Nacional. Em virtude disso, a cidade teve o seu conjunto arquitetônico e urbanístico inscrito no Livro de Tombo de Belas Artes em 1938, e nos livros Histórico e Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1986.

Por fim, Ouro Preto foi o primeiro bem cultural brasileiro inscrito pela UNESCO na Lista do Patrimônio Mundial, em 5 de setembro de 1980.

 

 

Atrativos

A Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, teve seu forro pintado por Manuel da Costa Athayde, mais conhecido como Mestre Athayde. Ele é famoso por suas belíssimas pinturas em perspectiva nos forros das igrejas mineiras. Portanto, a referida igreja representa outro importante marco turístico da cidade.

Seus principais museus – como o da Inconfidência e a Casa dos Contos – contam a história da cidade e de parte importante do período colonial brasileiro. Além de museus, há as igrejas, dotadas de obras sacras esculpidas por Aleijadinho, e que compõem alguns dos monumentos mais visitados em Ouro Preto.

20180414_134421
Museu da Inconfidência

 

A Praça Tiradentes localizada na cidade de Ouro Preto. Foi o local onde a cabeça do Continuar lendo “Ouro Preto(MG) foi o primeiro bem cultural brasileiro inscrito pela UNESCO.”

Deportação, Expulsão e Extradição

Qual a diferença entre Deportação, Expulsão e Extradição?

A Deportação independe de processo, não constitui pena, sendo somente uma medida saneadora e é de competência do Poder Executivo, representado pela Polícia Federal. Não impede o retorno do Deportado ao território nacional. A Deportação é meramente uma medida saneadora, não é crime. Tanto que não impede o retorno do indivíduo.

Expulsão é um ato político-administrativo do Estado, através do Poder Executivo, que determina a retirada de um estrangeiro do seu território em virtude da prática de um delito ou por ter se tornado nocivo, perigoso ou inconveniente aos interesses do Brasil. A competência da Expulsão é do presidente da república, através de portaria. Enquanto a Deportação permite o retorno do estrangeiro, na Expulsão ele nunca mais poderá voltar ao Brasil, pois terá a sua ficha na Polícia Federal divulgada em todas as fronteiras.

Extradição é o Ato pelo qual um Estado entrega um indivíduo acusado de fato delituoso ou já condenado criminalmente à Justiça de outro Estado competente para julgá-lo e puni-lo.

São três os elementos da extradição:

  • Estado Requerente, o que solicita;
  • Estado Requerido, o que recebe o pedido extradicional;
  • E o Reclamado, que é o indivíduo culpado ou condenado por um delito e que se encontra no território do Estado Requerido.

Compete ao Estado Requerido, com base na sua legislação interna, decidir se concede ou não a Extradição.

 

Conheça Os Diferentes Tipos De Passaporte e Vistos

Passaporte comum – É emitido aos cidadãos brasileiros na cor verde ou azul pela Polícia Federal.

novo-passaporte

Laissez-Passer – Também chamado de salvo conduto, considerado como equivalente ao passaporte, na cor amarela, emitido pela Polícia Federal aos estrangeiros apátridos e permanentes no Brasil ou aos que não têm representação diplomática no país, para uma única viagem.

apatridas-passaporte-amarelo-history-now.png

Passaporte Especial ou de Serviço – É emitido pelo Itamaraty, na cor azul, aos brasileiros que viajam a serviço ou ao interesse do governo brasileiro.

5qieqmjfk3_34wpg5rpoz_file

Passaporte Diplomático – É emitido pelo Itamaraty, na cor vermelha, aos diplomatas ou às pessoas que viajam ao exterior em representação oficial do governo brasileiro.

passaportediplo-300x336

 

Existem também diferentes tipos de vistos, de acordo com a necessidade do turista…

  1. Trânsito – Serve apenas de passagem para alcançar outro país. Prazo de dez dias.
  2. Turista – É válido por 90 dias, podendo ser prorrogado por igual período e é fornecido para pessoa em caráter de turismo, sem finalidade imigratória e nem no exercício de atividade remunerada.
  3. Temporário – É emitido ao estrangeiro que pretenda ingressar no Brasil em viagem cultural, estudo, negócio, arte, desporte, ensino, ciência, técnica, sob regime de contrato de trabalho ou a serviço do governo brasileiro. O prazo é de 90 dias a um ano ou pelo tempo de duração do contrato, podendo ser prorrogado por igual período ou até transformado em Permanente, após dois anos de residência ininterrupta no Brasil.
  4. Permanente – Trata-se de visto de imigrante e será concedido com autorização do Ministério do Trabalho, observando a política nacional de imigração, evitando a concorrência à mão-de-obra nacional e suprindo as deficiências trabalhistas.
  5. Oficial – É concedido ao estrangeiro que venha ao Brasil em viagem a serviço de seu governo, e se for superior a 90 dias o titular deverá se registrar junto ao Itamaraty.
  6. Diplomático – É o caso dos diplomatas que veem representar oficialmente o seu país com estada superior a 90 dias. O titular deverá registra-se junto ao Itamaraty.
  7. Cortesia – É fornecido aos estrangeiros acompanhantes do titular do visto Diplomático ou às pessoas oficialmente convidadas do governo brasileiro.

Continuar lendo “Conheça Os Diferentes Tipos De Passaporte e Vistos”

Conheça Os Conceitos Do Turismo

Venha conhecer mais sobre o Turismo

ingles-para-viagem-curso.jpg

Destacamos a definição formal de turismo dada pela OMT (2003, p18): “Atividades das pessoas que viajam e permanecem em lugares fora de seu ambiente habitual por não mais de um ano consecutivos para lazer, negócios ou outros objetivos”.

Os conceitos de Turista, Excursionista e Visitante

São viajantes todas as pessoas que são consumidoras dos serviços turísticos. Todavia, segundo classificação da OMT, esses consumidores são divididos em três categorias: Turistas, Excursionistas e Visitante (IGNARRA, 2003).

TURISTA – Da mesma forma que o conceito de turismo passou por diversas definições no decorrer dos anos,  muitas definições para a palavra “turista” foram mediadas até que em 1954, a Organização das Nações Unidas – ONU conceituou turista como (Apud IGNARRA, 2003, p.15):  “Toda pessoa sem distinção de raça, sexo, língua e religião  que ingresse no território de uma localidade diversa daquela em que tem residência habitual e nele permaneça pelo prazo mínimo de 24 horas e máximo de seis meses, no transcorrer de um período de 12 meses, com finalidade de turismo, recreio, esporte, saúde, motivos familiares, estudos, peregrinações religiosas ou negócios, mas sem proposta de imigração.” Que não pretende morar na localidade.

EXCURSIONISTA – Já os Excursionistas são visitantes temporários que permaneçam menos de 24 horas no país visitado, ou seja, eles não pernoitam no localidade turística. Essa definição foi então aprovada em 1968 pela OMT (Organização Mundial de Turismo), que passou a incentivar os países a adotá-la (BENI, 2001).

VISITANTE – Costumou-se designar o termo Visitante os passageiros de cruzeiros marítimos ou fluviais que visitam uma localidade, mas que pernoitam em suas embarcações (IGNARRA, 2003).

E aí você é um Turista, Excursionista ou Viajante? hahaha

Turismo Doméstico e Turismo Internacional

Para Cooper et al (2001), os turistas podem ser classificados em duas formas básicas, relacionadas com a natureza de suas viagens. Assim, pode-se fazer uma distinção básica entre turistas domésticos e internacionais.

Turistas Domésticos – O turismo doméstico diz respeito às viagens de residentes dentro do seu próprio país. Ignarra (2003) ainda divide os turistas domésticos em duas outras categorias: Os locais, quando ocorre deslocamento entre municípios vizinhos; e os regionais: Quando ocorre deslocamento em locais em torno de 200 a 300 km de distância da residência do turista.

Turistas Internacionais – Já o turismo internacional diz respeito a viagens fora do país de residência (podendo haver implicações em termos de moeda, língua, vistos), podendo ser a viagem intra-continental ou intercontinental.

Tipos de Turistas

Cohen (1979 apud IGNARRA, 2003, p.17-18) propôs a seguinte classificação para os turistas:

  • Existenciais – Buscam a paz espiritual pela quebra de sua rotina
  • Experimentais – Buscam conhecer e experimentar modos de vidas diferentes dos seus
  • Diversionários – Procuram recreação e lazer organizados, de preferência em grandes grupos
  • Recreacionais – Buscam entretenimento  e relaxamento  para recuperação de suas forças físicas e mentais.

Qual tipo de turista você é? Responda nos comentários!

Destinos Turísticos

Para que os movimentos turísticos ocorram, a destinação turística é o elemento principal.

Sem o local procurando pelo turista, não há viagem. Para Ignarra (2003, p. 19), essa destinação pode ser classificada de acordo com a sua amplitude.

Cabe destacar alguns desses conceitos:

  • Atrativo turístico – É o recurso natural ou cultural que atrai o turista para visitação. O conceito de atrativo turístico é bastante complexo, uma vez que a atratividade exercida por certos elementos varia de forma acentuada conforme o perfil do turista. Beni (2006) define atrativo turístico como “todo lugar, objeto ou acontecimento de interesse turístico que motiva o deslocamento de grupos humanos para conhecê-los”.
  • Complexo turístico – É o atrativo turístico que possui uma infraestrutura de hospedagem, alimentação e entretenimento, mas que não é um centro urbano. Um exemplo seria a Costa do Sauípe.
  • Centro turístico – É um aglomerado urbano que dentro de seu território atrativos turísticos que motivem a visitação. Alguns autores definem que se deve ter pelo menos 10 atrativos para que esse local possa ser considerado um centro turístico.
  • Zona turística – É um território amplo que agrupa mais de um centro turístico.
  • Pólo turístico – É o ponto central de uma área turística, a partir do qual  o desenvolvimento turístico se faz. Trata-se, assim, de um centro turístico equipado com infraestrutura turística, capaz de atrair os turistas e irradiá-los por toda a região no seu entorno.
  • Portões de entrada – Locais de entrada e/ou saída de uma zona turística.

Continuar lendo “Conheça Os Conceitos Do Turismo”